ti-enxame.com

Tornar o código-fonte disponível afeta sua capacidade de gerar receita?

Estamos trabalhando em uma estrutura .Net que, em última análise, equivale a uma única DLL. Pretendemos cobrar pelo uso comercial da estrutura, mas torná-la gratuita para uso de código aberto/não comercial. O plano geral no momento é administrar isso por meio de alguma forma de licença bastante simples, que será emitida se você estiver usando gratuitamente ou pagando.

Estamos debatendo se devemos disponibilizar o código-fonte. É nossa percepção (e nossa própria preferência) que é muito mais atraente usar algo onde você tem acesso ao código-fonte.

Estou interessado em saber se as pessoas acham que disponibilizar o código-fonte prejudicará nossa capacidade de ganhar dinheiro com a estrutura ou se incentivará mais uso e um número suficiente de pessoas "boas" providenciarão para pagar pela licença correta se usá-la comercialmente.

Meu sentimento é que, geralmente, as operações comerciais não mexem com o licenciamento e, portanto, disponibilizar o código-fonte apenas encorajará o uso e, portanto, gerará mais receita, mas estou interessado em outras visualizações/experiências.

22
dwynne

Definitivamente, você deve disponibilizar a fonte. Se está disponível gratuitamente ou disponível apenas para quem compra uma licença é com você, mas eu nunca usaria uma biblioteca de terceiros sem fonte. Ao contrário de Robert Harvey, eu enfaticamente não "sei que provavelmente nunca vou precisar disso." É quase certo que qualquer biblioteca de complexidade não trivial tenha bugs em algum lugar, recursos ausentes ou mal implementados que poderiam se beneficiar da customização/extensão ou, provavelmente, ambos. (Sim, até a sua.) Usei muitas bibliotecas diferentes, de pessoas diferentes e escritas em linguagens diferentes, e não consigo pensar em nenhuma em que nunca precisei da fonte em um ponto ou outro.

Se você quiser fazer isso direito, adicione uma cláusula na licença, como a GPL e a MPL, que se eles fizerem alterações no código e acabarem publicando um produto usando-o, eles terão que publicar as alterações que fizeram. Dessa forma, você obtém correções de bugs e recursos (potenciais) gratuitos apenas permitindo que outras pessoas usem seu código.

14
Mason Wheeler

Se for um framework .NET gerenciado, as pessoas podem usar Reflector para ver o código-fonte de qualquer maneira.

Já vi várias empresas que parecem trabalhar nesse modelo de licenciamento duplo com sucesso. Ter acesso ao código-fonte não significa necessariamente que as pessoas irão roubar o código. Pessoalmente, prefiro ser devidamente licenciado, como qualquer empresa para a qual já trabalhei. Mas ter acesso ao código-fonte pode encorajar as pessoas a experimentarem seu produto.

Há algo em ter acesso à fonte que parece um cobertor de segurança; você sabe que provavelmente nunca precisará dele, mas se você gastar muitas horas de trabalho dedicando-se a uma biblioteca de terceiros, é bom saber que você pode cavar no código e consertar algo se você entrar em um problema, ou o autor original do código é jogado para baixo de um ônibus.

10
Robert Harvey

Pessoalmente, acho que o melhor exemplo disso é a forma como empresas como a Telerik e outras fazem seu licenciamento.

Você paga pela licença, obtém o código-fonte e é para seu uso.

Se você fizer isso sob um método em que possa estar disponível para código aberto/uso não comercial gratuitamente, com o código-fonte, acho que será difícil para você fazer com que as pessoas se apresentem e paguem por ele.

4
Mitchel Sellers

Em geral, as pessoas que pagarão por sua ferramenta pagarão de qualquer maneira, e as pessoas que irão roubá-la sempre irão roubá-la.

Além disso, é apenas bom senso comercial (propaganda) dar seu produto para pessoas que não são seu público-alvo, porque elas conhecem (ou conhecerão) alguém que está em seu público-alvo, ou estarão lá elas mesmas.

Por que você acha que o FogBugz tem a licença de estudante e inicial? Eles estão fornecendo uma ferramenta valiosa gratuitamente porque não lhes custa relativamente nada, e quando você chega ao ponto em que está ganhando dinheiro suficiente para pagar US $ 20-25/mês por desenvolvedor (diabos, isso é em a maioria uma hora de tempo de desenvolvedor com salários competitivos aqui no Arkansas), então você ficará perfeitamente feliz em escrever esse cheque para a FogCreek.

Não vi nenhum estudo, mas certamente apostaria meu próprio software nisso.

2
Wayne Werner

Ganhar $ de algo em que a fonte é fornecida é meio difícil.

A ideia de vender licenças que incluam a fonte é mais sensata, especialmente no contexto de se tratar de uma biblioteca. As pessoas terão que cutucar as partes internas de vez em quando e isso deve ser fácil para elas fazerem.

Apenas colocando tudo, fonte e tudo, e esperando receita? Pode haver alguns que paguem, mas haverá um grande número que não o fará.

1
quickly_now

Se você estiver fazendo algum tipo de plataforma que pode ser expandida em um grau melhor por meio de código-fonte aberto do que fazê-lo você mesmo e cobrando, os aplicativos que você cria e vende com base nessa plataforma podem ficar em melhor situação no longo prazo. Acho que a chave é não revelar todo o código; principalmente a parte que o diferencia a ponto de poder vender.

Não é isso que as pessoas envolvidas com Ruby on Rails) fizeram?

0
JeffO

Acho que ter uma fonte pode ocorrer em dois níveis.

  1. Fonte para as classes que você tem, mas não em um estado onde seja fácil reconstruir o binário distribuído. Em outras palavras, você pode ver, mas não pode tocar.

  2. Fonte completa em um formato que pode ser facilmente reconstruído.

Eu, como desenvolvedor, prefiro fortemente o último, pois permite que você conserte um problema a quente. Pode ser o fator decisivo ao escolher entre duas bibliotecas!

A única coisa para proteger sua fonte deve ser a licença. Deixe a versão Open Source ser GPL e permita que as empresas comprem uma versão não GPL para ser incluída em seus produtos comerciais não GPL.

0
user1249